SEGURANÇA PARTICULAR: 4 DICAS DE COMO CONTRATAR

Com o crescimento do mercado, muitas empresas de segurança particular clandestinas surgiram, oferecendo serviços de agentes sem o devido preparo. Sem o registro correto na Polícia Federal e os treinamentos necessários, esses profissionais deixavam a integridade física de executivos e autoridades em risco.

Então o mercado começou a mudar. As exigências foram surgindo e, ao contratar um agente de segurança, a empresa precisa tomar nota de alguns cuidados para não cair em enrascadas. Queremos, portanto, ajudar você a sanar esse problema. Listamos as 4 dicas que achamos essenciais e que não podem faltar em uma empresa de segurança particular. Veja quais são.

1 – Exija a regulamentação

Toda empresa que oferece serviço de segurança particular precisa estar devidamente regulamentada pela Polícia Federal, de acordo com a Lei nº 7.102/83. Entre as exigências indispensáveis, destacamos as principais:

  • Ter a Prova de Regularidade com a Secretaria de Segurança Pública;
  • Apresentar Certificado de Segurança concedido pelo Departamento de Policia Federal;
  • Ter autorização de funcionamento e revisões expedidas anualmente pelo Ministério da

Justiça (Departamento de Policia Federal);

 

Essas três condições acima, assim como quaisquer outras que possam confirmar a legalidade do funcionamento da empresa e dos serviços prestados, devem constar em contrato ou estar acessível para o cliente.

2 – Comprometimento e logística

Quando falamos em segurança particular, não devemos nos atentar apenas para a violência dos centros urbanos. Outros fatores precisam ser levados em conta para que o serviço seja completo e ideal. O comprometimento e a logística da empresa são dois exemplos.

Cada executivo é um caso individual e precisa ser tratado dessa forma. Uma boa empresa se preocupa em conhecer quem está sob seus cuidados, saber os pontos fortes e fracos que precisam ser atentados pelo agente particular, etc. O relacionamento com o cliente é muito importante.

A empresa também deve pensar na logística do serviço prestado. Pontualidade, comprometimento, tempo de atendimento para ocorrências, pontualidade dos agentes, rotas estratégicas ao utilizar transporte corporativo, etc.

3 – Atualização de mercado

No primeiro tópico citamos alguns pré-requisitos de capacitações que toda empresa de segurança particular precisa apresentar para seus clientes. Elas são importantes, de fato, mas se estiverem defasadas, a qualidade do serviço cai consideravelmente.

Busque por empresas que realizem treinamentos regulares, para que a teoria e a prática sejam sempre atualizadas. Também observe se a organização acompanha o avanço tecnológico quanto a esses serviços. Softwares, equipamentos de auxílio para os agentes, tipo de fardamento, postura, etc. Todas essas questões devem ser consideradas.

4 – Qualidade do equipamento de segurança particular

Além de atualizado, o serviço de segurança particular precisa apresentar equipamentos em boas condições. Os agentes devem estar devidamente uniformizados, com uniformes que seguem o padrão exigido também pela Polícia Federal.

Os equipamentos de segurança utilizados por esses agentes precisam também ter boas condições de uso e serem, preferencialmente, de tecnologia atualizada. Tudo deve ser pensado da melhor forma possível, para trazer o máximo de segurança para o cliente.

Voltar